Arquivo | fevereiro, 2011

And the Oscar goes to…

28 fev

…Cate Blanchet…com certeza Cate Blanchet…

A fofa arrasou no vestido, no corte de cabelo, na maquiagem…

Adorei a cor do modelito, o bordado delicado, a mistura de tecido fluido com estruturado, o drapeado no colo, os recortes nas costas e no ombro….Amei, amei amei!!!

Vestido estrelado por Cate Blanchet no Oscar 2011

Engraçado que o modelito, com esses recortes super diferentes, mistura de estilo moderno com romântico, mistura de tecidos, me lembram um pouco o estilo Issey Miyake, será que ele é o autor.

Detalhes do ombro recortado, do colo drapeado e dos bordados com mix de cores

A gata arrasou meeesmo…pode não ter levado nenhuma estatueta ontem, mas, na minha opinião, levou, de longe, o prêmio de mais bem vestida da noite!!!

A boa e velha T-shirt…

14 fev

Sábado passado participei do “Bazar lá em casa” (adorei o nome)…nada mais nada menos do que um encontro de amigas, regado a muitas roupas, roupas e mais roupas. Roupas que você não usa mais, roupas que suas amigas não usam mais (ou nunca usaram, mas estavam guardadas, com etiqueta, há tempos, no guarda-roupas) que serão trocadas entre si.

Olha aí, mais de uma vez já me perguntaram aqui no Entre Rendas e Poás se eu tenho uma boa dica de brechó para levar roupas antigas, e confesso que não sou das mais fãs de brechó. Alguns deles chegam a pagar 10 reais por cem peças de roupa, outros só aceitam roupas de marca, enfim, taí uma boa dica pra quem tem vários “cacarecos” no armário, mas não tem coragem de simplesmente doar para a igreja da esquina.

Que tal juntar outras amigas nessa mesma situação e se divertirem, e ainda de quebra sair cheia de roupitchas novas (pelo menos no seu guarda-roupas)?

Cheguei ao bazar com meus dois filhotes (findi sem folguista = filhos à tiracolo) e uma sacola enorme cheia de roupas que usei tanto, mas tanto, que enjoei, ou aquelas minhas peças tamanho 34, que eu usava antes de ter meu primeiro filho e nunca tive coragem de me desfazer, acreditando que, um dia, voltaria aos meus 47 kilos, mas, quase 4 anos depois, caí na real e desapeguei.

Algumas muitas horas depois, deixei o bazar com os pimpolhos capotados e uma sacola, um pouco menor do que a que levei, recheada de roupas lindas, modernas e novinhas (pelo menos no meu closet).

No meio das novas aquisições veio uma t-shirt, linda, estampada, literalmente nova, ainda com etiqueta (vai entender essas amigas que ganham ou compram roupas que não usam e nem se preocupam em trocá-las!!!) que me inspirou a escrever esse post.

Há alguns anos tenho me rendido a essas t-shirts bem compridas, mais justinhas, moderninhas, com estampas diferentes, e tenho inventado mil produções, algumas que até conseguem encarar um dia de trabalho (ok, reconheço que, como publicitária, meu dress code é um pouco mais tranquilo e eclético).

Acho muito interessante ver a evolução da peça, que há cerca de 10 anos atrás não passada de uma peça única e exclusiva para ficar em casa.

Olhem só algumas produções bem moderninhas com as boas e velhas t-shirt’s: 

Produções com T-shirt

 E porque não aderí-la em uma produção mais noite/festa?

Minhas preferidas são as do californiano Ed Hardy (tenho vááárias, adoro as estampas e a modelagem, que cai perfeita):

Camiseta by Ed Hardy

Testado e aprovado…

7 fev

Há algumas semanas atrás, na correria do dia a dia, e com uma entrevista de emprego que iria acontecer no dia seguinte, fui até uma farmácia atrás dessa novidade (que não é mais novidade) da Colorama, prática que é uma beleza, o tal “única camada”.

Confesso que pra mim não funciona passar apenas uma única camada, não sei se é o costume de dar aquela segunda pincelada, mas sei que só com a primeira camada parece que tem algo errado.

Mas o que acho melhor nesse esmalte não é a tal promessa da camada única, mas sim a velocidade com que o esmalte seca. Isso veio, totalmente, ao encontro de meu hábito de pintar as unhas à noite (com dois filhos esse tem sido o único momento que consigo pintar a minha unha em paz, sem meu mais velho querendo pegar o vidrinho de esmalte e derramar tudo, fazendo o melequê). 

Antes do lançamento da linha “única camada”, eu pintava a unha naquela correria, e no dia seguinte tinha que re-pintar, já que acordava com a textura do lençol impressa em meu esmalte.

Mas, voltando a minha visita à farmácia na véspera da entrevista de emprego, quando vi a prateleira com os vidrinhos de “única camada”, quase enlouqueci. Essa coleção de verão “Aquarela Tropical” é simplesmente D-I-V-I-N-A!!!

Na hora fiquei transtornada, não sabia qual comprar. Depois de muito pensar, olhar, olhar, olhar, levei o “Rosa Tropical”, maior ansiedade pra testar a cor nas minhas “patinhas”, e na hora que fui pintar…tã tã tã, o vidrinho de esmalte caiu no chão e aconteceu algo que nunca me havia acontecido: acreditem, aquele vidro espesso, que parece inquebrável…não é…espatifou-se no chão.

No dia seguinte, rodei umas 3 farmácia atrás do inesquecível “Rosa Tropical”. Sem sucesso, na pressa para resolver logo a questão das unhas pintadas para a entrevista daquela tarde, me conformei com uma outra cor da mesma coleção, mais discreto, mais suave, (na minha cabeça: “mais sem graça”), o “Rosa Colonial”. Confesso que, sem muita empolgação, encarei aquela velha história, “se não tem tú, vai tú mesmo”.

Mas, final feliz, me surpreendendi, amei a cor (tanto que fiz algo que dificilmente faço, pintei a minha unha duas semanas seguidas com a mesma cor):

Testes com o Rosa Tropical feitos por blogs

Engraçado como fica diferente de pessoa pra pessoa, acho que depende muito do tom de pele, mas sei que com a minha pele “branquela” o esmalte combinou muito bem.

Há, encontrei o “Rosa Tropical” em uma farmácia no final de semana passado, e agora, enfim, vou testá-lo. Deixo aqui, depois, as minha impressões.

Trançando o horizonte

7 fev

Nossa, como está difícil manter o ritmo dos posts agora que estou trabalhando (oficialmente). Realmente essa vida dupla (ou tripla, contando que também sou mãe, e preciso administrar, remotamente, o bom fluxo da casa e dos meus funcionários domésticos) tem atrapalhado o compromisso de manter o meu blog sempre em dia.

Mas acho que, com o tempo, eu acostumo com a nova rotina, que inclui também as postagens aqui no Entre Rendas e Poás, e então vou fazer tudo isso, e muito mais, tranquilamente.

Mas vamos que vamos, e pra tirar o atraso hoje vou fazer dois posts.

Bom, primeiramente, apesar da correria, meus olhinhos mantiveram-se ligados no SPFW (ou melhor, na internet lendo todas as notícias e novidades do maior evento de moda do Brasil).

E não é que, a cada edição, eu continuo me surpreendendo. Impressionante como a nossa criatividade (ou melhor, no caso, a criatividade dos stylists) é inesgotável e sem limites.

Adorei o penteado apresentado no desfile da Maria Bonita. Pegando carona na alta dos cabelos trançados, o cabeleireiro Celso Kamura foi o responsável pela trança horizontal:

Desfile Maria Bonita - tranças horizontais

 É por isso que acho esse mundo da moda tão interessante, é tanta novidade, tanta criatividade, tantas possibilidades…essa dinâmica toda, cheia de suspense e surpresas, realmente me fascina.